Languages

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Ecos de Recife


A crítica teatral ganha novos contornos na webAnálise de espetáculos conquista cada vez mais adeptos em sites especializados, como o Satisfeita, Yolanda?, que completa dois anos com festa neste sábado

Publicação: 25/01/2013 19:00 Atualização: 25/01/2013 19:17
Pollyanna Diniz e Ivana Moura assinam blog que completa dois anos neste sábado, com festa no Esoaço Coletivo. Foto: Nando Chiappetta/Divulgação.
Pollyanna Diniz e Ivana Moura assinam blog que completa dois anos neste sábado, com festa no Esoaço Coletivo. Foto: Nando Chiappetta/Divulgação.
Certa vez, Eugenio Barba, diretor-fundador do Odin Teatret, da Dinamarca, um dos grupos fundamentais para o teatro contemporâneo, afirmou que mesmo que mil pessoas escrevessem mil críticas sobre um espetáculo, não dariam conta de descrevê-lo por completo. Através da internet, no entanto, a crítica amplia seu alcance, ganha novas ferramentas e adquire contornos inéditos, conquistando cada vez mais adeptos.

Vídeos, galerias de fotos, grandes entrevistas, o compartilhamento através das redes sociais são recursos que tornam mais interessante o espaço virtual para a análise crítica, que hoje nos jornais impressos assume cada vez mais o papel de promover os espetáculos.

No Recife, são raros os blogs dedicados à crítica teatral, a exemplo do Satisfeita, Yolanda?, que completa dois anos com festa neste sábado, no Espaço Coletivo, no Bairro do Recife. “Manter um blog requer cuidado com a apuração dos fatos, para fazê-lo de forma embasada, responsável. Poucos conseguem se manter no ar por muito tempo”, observa Pollyanna Diniz. Ela ressalta que o Satisfeita ainda é feito sem que ela e sua parceira no blog, Ivana Moura, sejam remuneradas pelo trabalho. “O que existe, por enquanto, é a persistência”, completa a jornalista.

Edjalma Freitas, ator, diretor e produtor atuante no Recife, gosta da resposta imediata que a web possibilita. “Acho que deveria existir mais espaço no jornal para a crítica, tem um alcance incrível e é gostosa a tradição. Mas, como produtor, a ferramenta digital facilita muito, até mesmo na hora de copiar links e inscrever projetos em editais”, explica.

Giordano Castro, integrante do Grupo Magiluth, diz que a liberdade de escrever na internet é algo fantástico. “Comentar sobre o faze teatral, que ficava obscuro e esquecido tempos atrás, é o mais importante”, assegura Giordano.
Sérgio Maggio, do blog CriCri, deixou a crítica de lado quando se tornou diretor teatral.
Foto: Zuleika de Souza/CB/D. A. Press.
Sérgio Maggio, do blog CriCri, deixou a crítica de lado quando se tornou diretor teatral. Foto: Zuleika de Souza/CB/D. A. Press.
Morte anunciada
Sérgio Maggio, jornalista do Correio Braziliense, diretor, dramaturgo e autor do blog CriCri, acredita que a crítica se esvaziou com o passar do tempo. “No jornal, é mais um relatório de erros e acertos. Mas a crítica também assume a função de historiar o teatro de um período, ou ainda ser um documento para ajudar os grupos a obter patrocínios. Faz duas décadas que se anuncia sua morte”, pontua Maggio, que reforça a seriedade e a imparcialidade do Satisfeita, Yolanda?. Ele enumera formatos diferentes de blogs, como oQuestão de crítica, que surgiu dentro da universidade e traz uma visão mais acadêmica e aprofundada, subjetiva, sobre os espetáculos, com muitas vozes para falar da mesma peça; e de críticos como Macksen Luiz, no Rio de Janeiro, que dá a chance de legitimar atores, diretores, produtores.

O baiano radicado em Brasília faz uma comparação pertinente. “Assistir a um espetáculo exige uma percepção plena do espectador. Ele percebe de uma só vez todos os signos sensoriais, do gesto, luz, cenário, trilha sonora, a presença do outro ator no palco, contracenando com o protagonista. Quando fatiamos essa percepção com a crítica, estamos fazendo a autópsia de um cadáver, enquanto o espetáculo é vivo, pulsante”, opina ele, que ressalta a visibilidade proporcionada pelas redes sociais. “Existe crítica até no Twitter, em 140 toques. E o internauta não é bobo. Ele analisa se o texto traz muitos adjetivos, descobre se o autor é amigos dos atores, fica abusado e não volta mais ao site”, descreve.
Helena Mello fez mestrado em artes cênicas em Porto Alegre, defendendo tese sobre o tema.
Foto: Daniela Aquino/Divulgação.
Helena Mello fez mestrado em artes cênicas em Porto Alegre, defendendo tese sobre o tema. Foto: Daniela Aquino/Divulgação.
A gaúcha Helena de Mello coloca que a falta de regras do teatro contemporâneo não o exime de análises. “Penso justamente o contrário. Os espectadores só têm a ganhar quando pessoas que se dedicam exclusivamente a compreender o teatro de hoje, que estudaram a história do teatro e aprofundaram os seus conhecimentos sobre essa arte trazem à tona as suas impressões sobre uma obra. Não se trata aqui de dizer o que é certo ou o que é errado. Isso sim não cabe mais no universo da arte, mas de contribuir para o debate, de apontar e identificar os elementos utilizados na obra em questão. Em resumo: fazer o público pensar, refletir sobre o que viu. Aprofundar a opinião para ir além do: gosto/não gosto”, dispara Helena.

Segundo ela, há muitos registros de grandes debates entre críticos e artistas que antecedem o espaço virtual. Entre esses, os que ocorreram entre Bárbara Heliodora e Gerald Thomas, Sábato Magaldi e Zé Celso Martinez Correa, Paulo Autran e Paulo Francis. “Tenho um blog (palcosdavida.blogspot.com) em que publico coisas diversas, inclusive pessoais, não apenas sobre teatro ou cultura e, por ocasião da minha pesquisa, criei o blogsobrecriticateatral.blogspot.com, em que publico vários textos sobre o tema e um catálogo que elaborei com todos os endereços na internet que publicavam críticas teatrais”, detalha Helena, que fez mestrado sobre o assunto. 

Ela defende que, para atrair público, um blog precisa trazer conteúdos mais aprofundados, informações históricas, culturais, mas, de preferência, de um jeito mais leve e divertido. “Considero que é importante também diversificar, ou seja, incluir links que sejam úteis, colocar curiosidades técnicas, divulgar agendas. Cheguei a elaborar um projeto para um grande portal de artes cênicas e a buscar verbas no Fumproarte, mas há muita concorrência e, na última etapa, o meu projeto foi vencido. Até porque, naquela ocasião, as pessoas ligadas às artes que faziam parte da comissão julgadora ainda não visualizavam o potencial da internet no contexto da arte, tinham muito receio de ver esse espaço invadido pela tecnologia”, revela.
Na era digital

Em Porto Alegre, Helena Mello é uma das profissionais que batalham pela seriedade da crítica teatral. O tema mobiliza tanto a jonalista que ela mergulhou nele em sua dissertação no Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 2010. Para elaborar o trabalho, intitulado Aspectos da crítica teatral brasileira na era digital, sob orientação de Edélcio Mostaço - que exerceu a função de crítico na Folha de São Paulo durante muitos anos e é hoje coordenador do curso de Artes Cênicas em Florianópolis (Santa Catarina) - Helena entrevistou virtualmente 80 pessoas de todo o Brasil. Ela concluiu que a crítica teatral não segue mais os mesmos preceitos de outros tempos, mas seguirá existindo enquanto houver teatro, enquanto houver público. “Os blogs preenchem uma lacuna deixada pelos jornais a partir do momento em que não houve mais espaço para textos que provoquem a reflexão sobre o que está em cena. Importante também observar que, nesses casos, a discussão pode ir muito além do que é postado pelo autor, pois os leitores podem colaborar com suas próprias impressões”, defende a jornalista gaúcha.
Meros espectadores

A jornalista, blogueira e atriz Duda Martins, 24 anos, acaba de lançar um novo blog que vem dando o que falar no Recife. Trata-se do Meros espectadores, que inova no formato ao dar voz a pessoas que não têm necessariamente intimidade com o teatro. Ela tinha muita curiosidade sobre o olhar das pessoas comuns a respeito das peças e planeja expandir o blog para outras áreas culturais, como cinema e shows. “Já recebi textos bem curtos, como de um garoto de Brasília Teimosa que nunca tinha colocado os pés num teatro, e viu uma peça no Santa Isabel. Até outras com três laudas, mais embasadas, como a de Marcondes Lima”, compara Duda, que acredita no lado construtivo da crítica. “Não temos censura, só se a galera baixar o nível”, argumenta.
Caminho inverso

Quando criou o blog CriCri (blogcricriemcena.blogspot.com.br/), Sérgio Maggio dedicava o espaço exclusivamente à crítica das artes cênicas. Desde 2001 na equipe de cultura do jornal Correio Braziliense, ele sentiu necessidade de definir novos rumos seis anos atrás, quando começou a atuar também como dramaturgo e diretor de teatro. Hoje, o CriCri ainda está no ar, mas ampliou o foco para ser um blog da trajetória profissional do jornalista. Ele é diretor do espetáculo Eros impuro, que esteve em cartaz no Teatro Arraial na semana passada, a convite do 19º Janeiro de Grandes Espetáculos. Maggio também ministrou oficina de crítica durante o festival. “O crítico passou a ser mais importante do que a crítica em si, como é o caso da Bárbara Heliodora. Na web, polivozes surgem para dialogar e a interatividade chega ao ponto que até o próprio artista pode dar uma resposta”, observa Maggio, que é natural de Salvador (BA).

Um comentário:

Anônimo disse...

I hаve beеn bгowsing on-linе
greаter than 3 hours latelу, but I by no mеаns discovered any interеsting article lіkе youгs.
It's pretty value sufficient for me. In my opinion, if all site owners and bloggers made good content material as you did, the net can be much more useful than ever before.
Visit my webpage :: V2 Cigs review