Languages

domingo, 16 de dezembro de 2012

Sou homem-mulher-negro-branco-orixá-mortal-Ellen-Oléria!


Sérgio Maggio


Queria escrever sobre Ellen Oléria, mas não vou conseguir. Estou tomado pela emoção, pelo êxtase, pelo gozo, pelo grito de gol. É como se eu estivesse diluído na multidão do carnaval. Meu EU não é nada. Eu não sou ninguém. E como é bom espatifar o nosso EU diante do OUTRO. Sou simplesmente um pedaço dessa massa que dança, voa, beija na boca da vida.  

Queria dizer o quanto Ellen Oléria é grandiosa como artista, mas acho que andarei em círculos. Estou tomado por palavras que se repetem, por sentimentos que vão e vêm e me deixam fora de mim, num quase transe sem fim. Sou simplesmente um ser que vibra, um fragmento de energia pulsante, um lampejo. 

Queria ressaltar o quanto eu acredito em Ellen Oléria, mas tudo que há em mim agora é ficção. Corro como uma narrativa descontrolada para uma apoteose, um final impactante, que cala, chora e faz rir. Sou simplesmente um esboço de alguém que se diluiu, que escoou como um fluxo que inunda e irriga, fertilizando o solo dos sonhos.  

Queria observar que Ellen Oléria é mistura de tudo. Mas não tenho mais argumentos, não sou raciocínio, não tenho lógica. Sou torcida que corre para o gramado, sou folião que voa do chão num frevo rasgado. Sou simplesmente um corpo para Oxum, que se verte em lágrimas e enche o mundo de possibilidades. 

Sou homememulher/negroebranco/mortaleorixá/ElleneOléria!   

3 comentários:

Alessandra Roscoe disse...

Disse tudo, Sergio Maggio

Anita Prado disse...

Estou assim também, a felicidade dela é a minha... Que bom vibrar pelo OUTRO. Sair de mim, mata este EU. SER OUTRO... Obrigado pelas palavras e pelo choro

Anita Prado

Anônimo disse...

Grande Sérgio! Faço minhas tuas palavras! Quando você discorre sobre outros, a lente é outra, é generosa, singular. Uma grande angular que coloca o outro numa dimensão que só os gênios se imaginam lá. tambem estou emocionada com a merecida vitória de Ellen! Dá uma pona de orgulho, saber que alguém de Brasilia brilha fora da ilha. Beijos. Dina