Languages

sábado, 11 de setembro de 2010

Um minuto pela paz


Por Sérgio Maggio


10/9, às 20h30 O senhor Hélio assiste ao noticiário. Ouve atento a história do pastor norte-americano Terry Jones, líder de pequena igreja evangélica na Flórida, que ameaçava queimar hoje, 11 de setembro, 200 livros sagrados do Alcorão. Ele arrasta os seus 87 anos de vida até a cozinha, pega um candeeiro velho herdado do avô, acende, abre a porta e encaminha-se para o cerrado, que desponta ao fundo de sua casinha em Samambaia Sul. Segue a pé, por meia hora, até chegar à gameleira sagrada, onde cultua entidades da natureza. No bolso, traz mel, azeite de oliva e outras especiarias. Mistura tudo nas palmas das mãos e espalha rondando a árvore frondosa numa oração cantada até o Sol despontar. Pede paz de espírito para a alma do sujeito e clama aos elementais que adocem o povo islâmico ofendido com a ameaça.

10/9, às 22h. A senhora Carminha sente uma pontada de dor no coração quando fica diante da possibilidade de atentado ao livro maior do islamismo, proclamado pelo pastor Terry Jones. Praticante da filosofia japonesa Seicho-no-iê, ela pega um copo d’água, põe sobre o altar, acende uma vela e faz a maratona da Sutra Sagrada, livro de revelações divinas. Ora com tanta fé que só para quando ouve os pássaros anunciarem o dia, lá da cobertura do Sudoeste.

10/9, às 22h30 A mãe de santo Judite de Nanã resolve convocar o povo do terreiro para uma cerimônia fora de hora. Pede a sacerdotisa da cozinha para fazer uma comida para Oxalá e ordena que toquem os atabaques para pedir que a paz envolva a cabeça do pastor Terry Jones. Os orixás incorporam e trabalham na madrugada fria para acalmar o fogo de guerra aceso entre os povos. Depois, todos ceiam recompensados. Dormem ali mesmo, na chácara da Expansão do Setor O, em Ceilândia.

10/9, às 23h Da igreja evangélica do Conic, a estudante Elaine entrega-se à corrente de fé comandada pelo pastor. O líder pede para que as pessoas professem a sua fé e, durante um tempo que não calcula, a garota enche o coração do pastor Terry Jones de amor. Usa tanto a força das palavras que é levada pela torrentes de línguas do Espírito Santo. Ao final, tem uma visão: o cristão americano abraça-se com um rabino. Grita: “Glória a Deus, meu senhor.”

11/9, 0h01 Uma mesa branca se forma, em centro espírita do Cruzeiro, para pedir paz. O nome do pastor Terry Jones é escrito pelos nove participantes e colocado embaixo de copos d’água. Todos dão as mãos e leem o Evangelho Segundo Alan Kardec. Em volta, estão os guias da casa. Há uma luz que paira sobre as cabeças. Uma mulher psicografa uma mensagem. “Hoje, é preciso que gente de todas as crenças faça, ao menos, um minuto de oração pela paz mundial”, pede A.S.T., uma das vítimas do 11 de setembro. Que assim seja!

Um comentário:

Tiara disse...

Lindo e ecumênico