Languages

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

CRÍTICA//ENSINA-ME A VIVER


Glória em direção primorosa

Sérgio Maggio

Glória Menezes teve sessões cheias, com direito a uma extra com mais de meia casa, para reapresentar Ensina-me a viver, na Sala Villa-Lobos. No papel de Maude, a personagem transgressora de Colin Higgins, a atriz arrebatou o público em espetáculo cuja direção de João Falcão se impõe como imperiosa. O diretor trabalha em consonância com iluminação de Renato Machado e a cenografia de Sérgio Marimba, criando uma dimensão que se passa em diversos planos. Ergue-se no palco uma superprodução capaz de montar e desmontar diante dos olhos do espectador ambientes complexos sugeridos pela história, com entrada de contrarregras e seus objetos de cena.
Glória Menezes faz uma Maude sensibilizada pela idade, mas ao mesmo tempo, disposta a cumprir, com intensidade, cada hora de vida. A atriz joga brilhantemente com o jovem Arlindo Lopes (Harold), que cresce cena a cena, num trabalho de ator revelador. Apesar da tendência natural das montagens de Ensina-me a viver a amplificar a presença de Maude, a peça de João Falcão equilibra os protagonistas e expõe o talento e a versatilidade de Arlindo Lopes. Os coadjuvantes Stella Maria Rodrigues, Fernanda de Freitas e Antonio Fragoso revezam-se em vários personagens e entram no ritmo vertiginoso, com entrada e saídas velozes, típicos do trabalho do diretor.
Embora seja marcada pelo grande público mais pelos trabalhos em telenovelas, Glória Menezes trilha a valorosa carreira no teatro, iniciada há 51 anos, com montagem à altura de uma grande dama dos palcos, que respeita e se relaciona com devoção à arte dramática. Na sessão de sábado, após avisar aos espectadores para não utilizarem as máquinas fotográficas durante a apresentação, a atriz foi surpreendida com flashes, interrompendo a peça e perdendo a concentração. Reclamou, com direito, e o público brasiliense calou-se meio envergonhado com aqueles que ainda não entendem que o teatro é um tempo sagrado do silêncio e do aprendizado.

Nenhum comentário: