Languages

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

As nossas Sakineh


Sérgio Maggio

Eu fui o 19.858º brasileiro que mandou ao presidente Lula uma mensagem para não desistir de negociar com o Irã a vida de Sakineh Ashtiani, condenada à morte por acusação de adultério. Sei que naquele país essa é uma questão cultural. Mas protestei assim mesmo. No Irã, elimina-se quem infringe regras consideradas invioláveis. O adultério é uma delas. Ao lado de Sakineh Ashtiani, há outras 12 mulheres na mesma situação. Todas podem ser apedrejadas ou enforcadas. Os gays também são postos na fila do extermínio. Não só no Irã, mas em vários países do Oriente Médio.
Fui emocional, como o presidente Lula, mas, ao enviar a mensagem de apelo, senti que poderíamos fazer uma outra campanha. Para salvar, as nossas Sakineh Ashtiani, mortas e condenadas diariamente nas periferias das capitais, nas cidades interioranas, nos apartamentos de classe média. Não temos uma lei arcaica de apedrejamento. Mas somos uma nação onde muitos homens continuam a massacrar as mulheres. Não quero nem falar dos dois casos mais recentes, que deixaram os brasileiros em torpor. Mas da dona de casa que pode estar sendo espancada antes mesmo de eu terminar esta frase.
A Lei Maria da Penha é uma grande conquista. Precisa ser popularizada em campanhas. Conscientizar a vítima de que há uma legislação a seu favor. Equipar e multiplicar as Delegacias de Mulheres. Aliás, espera-se que, no debate eleitoral, esse assunto seja verticalizado. Afinal, são duas presidenciáveis e centenas de candidatas ao Parlamento. O poderoso eleitorado feminino precisa se engajar e identificar aqueles compromissados com a defesa do estado de direito da mulher brasileira.
Defendo isso como cidadão que tem uma filha, irmãs, sobrinhas, amigas, primas, vizinhas, tias, mãe e avós. E vi, com olhos assustados de menino, algumas delas serem agredidas em casa numa época, em que a mulher tinha que baixar a cabeça e engolir o choro, diante da ferocidade do secular macho brasileiro, tão violento e arcaico quanto a lei iraniana que apedreja e enforca. Votei no
http://www.avaaz.org/po/lula_salve_sakineh/?vl

e termino este artigo rogando coragem para as nossas Sakineh. Que elas atravessem a porta da cozinha e denunciem o seu agressor.

Nenhum comentário: